Resenha - Corte de Espinhos e Rosas - Editora Galera Record



Título Original: A Court of Thorns and Roses
Autor(a): Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Páginas: 434
Ano de Lançamento: 2015
Gênero: Fantasia, Jovem Adulto, Romance

Sinopse: Em Corte de Espinhos e Rosas, um misto de A Bela e A Fera e Game of Thrones, Sarah J. Maas cria um universo repleto de ação, intrigas e romance.

Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar um feérico transformado em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. 

Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas, a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... Ou Tamlin e seu povo estarão condenados.


Eu já tinha lido Trono de Vidro, outro livro da mesma autora, e estava com altas expectativas em relação a esse livro. Ele é uma recontagem de A Bela e a Fera através do ponto de vista da Feyre em um mundo separado entre feéricos e humanos. No final das contas, eu amei o livro, mas tive alguns problemas com a narrativa. Nota: 3,5 estrelas.

Nesse livro encontramos Feyre, uma jovem de 19 anos, que após a morte de sua mãe, assume o sustento da casa e cuidado da família por conta de uma promessa. Sua família está falida e sem recursos, ou seja, vivendo aos trancos e barrancos. Por conta da falta de comida em sua casa, ela se aventura pela floresta para conseguir caçar algo naquele inverno de rachar. Diante desta situação, ela acaba matando um lobo que na verdade era um feérico.

Após esse fato, um estranho numa forma animalesca e assustadora aparece em sua casa exigindo reparação, uma vida pela outra; ou a sua morte ou ser levada para viver eternamente em Prythian, lugar que apenas conhecia por histórias. Feyre encara o desafio e escolhe não morrer. Então, ela é levada à Corte primaveril, onde é muito bem tratada e cuidada pelo seu Grão-feérico Tamlin, que foi o ser que invadiu a sua casa e com quem protagonizará uma paixão avassaladora, e pelo melhor amigo dele, o Lucien.

Conforme convive entre os feéricos, Feyre percebe que toda beleza e exuberância das terras feéricas esconde uma maldição que tem se alastrado e pode ser letal se chegar às terras humanas. Não vou dizer mais nada a vocês, caros leitores. Vou deixá-los na curiosidade acerca de todos os mistérios e segredos que essa história nos traz.

O grande ponto positivo da trama são os personagens. Eles não são 100% do bem, ou 100% do mal; são complexos e trazem desenvoltura necessária ao enredo, além de serem cativantes. Todos têm um passado e presente difíceis e que os moldaram para ser quem são agora. Feyre foi a minha personagem favorita desse livro. Ela me surpreendeu demais e é lindo ver o crescimento e a evolução dela. Ela é forte, destemida, de bom coração, decidida, determinada, ela não tem vergonha da sua sexualidade, e tem um incrível instinto de sobrevivência, ela sabe como se virar em situações difíceis, mas em muitos momentos é permissiva, principalmente com a sua família que é muito ingrata mesmo ela fazendo de tudo para ajudá-los. Já o Tamlin inicialmente parece um vilão, mas com o decorrer da trama, ele se mostra gentil, apaixonante e meio selvagem, mas tem uma postura superprotetora de macho alfa bem irritante. Lucien, o personagem secundário, é meio frio e reservado e aos poucos mostra seu lado sarcástico e engraçado. Outro personagem que é fundamental na história e não falei até aqui por medo de soltar um spoiler é o Rhysand que aparece efetivamente no final e rouba a cena. Mal posso esperar para saber o que quer.

Outro ponto importante é que o universo criado pela Sarah é fantástico. Prythian é tão sombria e apaixonante com todas as suas 7 cortes que são divididas assim: Corte primaveril, Corte Estival, Corte Outonal, Corte Invernal, Corte Crepuscular, Corte Diurna e Corte Noturna. Estou realmente empolgada para conhecer mais sobre esse mundo mágico e suas criaturas.

O que me prejudicou nessa leitura foi o ritmo da história. O início é bem lento, o meio é parado, mas o final (Que final!) é empolgante e que te faz torcer para tudo dar certo, o coração fica na boca. Ademais, apesar de amar a protagonista, sua narração não funcionou tão bem para mim; muitas vezes ela detalhava e descrevia coisas que não agregavam em nada; talvez se fosse escrita em terceira pessoa, funcionasse melhor. Não tenho nada a reclamar quanto à qualidade da escrita; Sarah nunca desaponta nesse quesito. Além disso, senti muita falta de outras personagens femininas com quem a Feyre interagisse na história. Por conta disso tudo, retirei uma estrela e meia da nota.

Recomendo esse livro a todos os amantes de fantasia e romance, e que são apaixonados por histórias intensas, pois a autora alia esses elementos muito bem. Corte de espinhos e rosas é uma leitura envolvente, surpreendente e que cativa, apesar de cansativo em alguns momentos. Que venha o próximo livro!

Onde encontro para comprar?


Resenhista colaboradora Marina Fernandes

Gostaríamos de agradecer imensamente ao Grupo Editorial Record, que nos forneceu esta obra maravilhosa e à Aliança de Blogueiros do Rio de Janeiro, que permitiu o nosso encontro.

3 comentários

  1. Ai, tô bem indecisa quanto a esse livro. Se ele não estivesse fazendo tanto sucesso eu provavelmente nem daria atenção porque nunca fui muito de fantasias, mas todo mundo está falando dele: no youtube, nos blogs, no stories do instagram. Parece cola hahahah não sei mesmo se devo considerar a leitura, principalmente agora por saber que ela é meio lenta. QQ EU FAÇO? HAHAHAHAH

    Mas, apesar da minha indecisão, adorei a sua resenha. Muito bem detalhada <3
    Beijão!
    literarizandomomentos.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha eu já li 20 páginas do segundo livro e realmente vale a pena passar pela lentidão do 1°. É necessário que tenha acontecido isso no primeiro livro justamente por causa do relacionamento com a Feyre e Tamlin. Eu recomendo que vc leia porque o segundo livro está bom pra caramba

      Excluir
    2. Esqueci de dizer obrigado ❤️❤️❤️

      Excluir