Entrevista com Clara Savelli


Clara Savelli é carioca, nascida em outubro de 1991 e uma mulher de mil e uma utilidades: escritora, bacharel em Relações Internacionais e advogada.
Vencedora do Prêmio NRA 2009 nas Categorias "Melhor Livro Não Concluído", "Melhor Autora" e "Melhor Entrevista". Vencedora do Prêmio Paulo Britto de Literatura 2011 na Categoria Prosa. Menção Honrosa no Concurso Internacional de Contos Vicente Cardoso 2012. Vencedora do Wattys 2015, do Wattys 2016 e do Wattys 2017.
Autora de Mocassins e All Stars, Acampamento de Inverno para músicos (nem tão) Talentosos, Tiete!, Chinelo e Salto Alto, Sir, Lady, Reações Químicas e diversos contos. Colunista semanal do blog Psicose da Nina e redatora da Revista Publiquei!


Você sempre leu bastante antes de se tornar escritora? Quais são suas obras favoritas de outros autores (nacionais e internacionais)? Sempre temos essa curiosidade sobre as pessoas que admiramos.
Sim! Leio desde criança e meus pais também liam para mim todo dia antes de eu dormir, hehe. Eu sou muito fã da Meg Cabot e de qualquer um dos seus livros. No Brasil, sou apaixonada pelos livros do Pedro Bandeira e da Aimee Oliveira (verdade verdadeira).

Qual foi o primeiro passo que você deu para entrar no mercado literário? Nós, leitores, ficamos felizes por você ter acreditado em seu talento inicialmente, pois se isso não fosse dessa forma, não teríamos sido agraciados com suas obras. 
Fiquei toda boba aqui com o agraciados, hahaha. Eu sempre quis ser escritora, mas quando comecei a escrever “para valer” não estava pensando em publicar de imediato. Foi só uma necessidade interna mesmo, rs. Todavia, acho que a melhor resposta para essa pergunta foi: postar online. Eu comecei a escrever no Orkut e nunca mais saí da internet.

Meu cantinho favorito para escrever é…
Qualquer um que dá! Eu já tive rotinas muito confusas e acabava escrevendo em qualquer momento que eu tinha. Por exemplo, diversos capítulos de “Tiete” foram escritos no metrô. Hoje a maior parte dos meus livros é escrito no escritório compartilhado que tem aqui em casa.

Qual livro que você escreveu é o seu preferido e por qual motivo?
Que maldade fazer isso com uma libriana! Bem, eu sempre vou ter um carinho especial por "Mocassins e All Stars", por ter sido meu primeiro livro finalizado e publicado. Todavia, devo assumir que tenho um amor por “Tiete”.

Se você olhar para toda a sua trajetória como escritora até aqui, você diria que seu maior desafio foi…
Meu maior desafio é me manter motivada todo dia. Porque tem dias que simplesmente é muito exaustivo. É fácil querer desistir e se enfiar em um buraco. Busco minhas forças nos meus leitores e no carinho que eles têm por mim e minhas obras. Renovo minha fé e sigo em frente.

Quais são os seus conselhos para quem quer seguir a carreira de escritor?
Confiar nos seus sonhos e não desistir. Além disso, estudar muito. Não só o ofício da escrita, mas especialmente o mercado literário. Faça cursos, pergunte para colegas escritores, participe de eventos... Seja visto! E escreva. Escreva muito. Escreva sempre.

Você pode nos contar um pouquinho dos seus planos para o próximo ano?
Eu estou muito ansiosa para o próximo ano! Tenho spoilers secretos de que ele vai chegar lacrador! Mas não posso contar isso ainda, rs. O que dá para contar é que eu pretendo continuar postando no Sweek, retomar as postagens do meu livro que está parado no Wattpad (“Sir”) e quem sabe postar alguma novidade na Amazon...

O que você considera mais gratificante na profissão de escritor?
Meus leitores! Eu sempre fico chocada com o simples fato de eu ter leitores, hahaha! E sou muito grata (demais, imensamente, sem palavras para o quanto) pela existência de cada um deles. 

Frase que me dá forças quando preciso...
"Não importa o que dizem a você, palavras e ideias podem mudar o mundo". É do filme Sociedade dos Poetas Mortos. Também é a frase de abertura do meu livro e também foi a frase de abertura do meu TCC e da minha monografia, hahaha. E provavelmente também vai ser a da minha dissertação do mestrado <3

Existe alguma temática que seja recorrente em seus livros? Se sim, isso é casual ou feito por algum motivo específico?
Temáticas adolescentes em geral são muito recorrentes, visto que esse é o gênero que eu costumo mais escrever. Sendo bem sincera, creio que as temáticas que eu me debruço variam de livro para livro, conforme a história e os personagens demandam. Por exemplo, em Acampamento de Inverno para Músicos (nem tão) Talentosos temos debates sobre alcoolismo, amor-próprio e relacionamentos abusivos. Já em Chinelo e Salto Alto, falamos sobre bulimia. Mas minha meta é sempre tratar esses temas de forma dinâmica, nunca passando uma “lição de moral”, mas sempre tentando introduzir uma discussão.

Você se identifica muito com algum de seus personagens? Qual deles e quais seriam essas características em comum?
Eu acho que a personagem que eu mais tenho coisas em comum é Julie. Muito porque eu era bem novinha quando escrevi "Mocassins e All Stars" e espelhei muitas coisas de mim nela, visto que era mais fácil falar sobre aquilo que eu sabia. Além disso, acho que tenho muitas características da Katerine, de "Tiete".

Tome um de seus livros como referência e tente nos contar como foi o seu processo de escrita. 
Praticamente todos os livros que eu escrevi até agora passaram pelo mesmo processo de escrita: escrever, postar e ver comentários. Deve ser algum tipo de vício! Eu preciso muito saber o que os leitores estão achando para conseguir me manter motivada e continuar escrevendo. Depois que o Orkut morreu, fiquei muito tempo sem conseguir escrever até achar o Wattpad, justamente porque não tinha ninguém me lendo, hahaha! Fico perdida sem a orientação dos meus leitores.

Sei que hoje em dia podemos acompanhar muito da vida dos nossos queridos autores principalmente em aplicativos como Insta Stories. Mas adoraríamos saber através das suas palavras, quem é você no dia a dia?
Uma pessoa que detesta acordar cedo, apaixonada por cachorros (especialmente a minha, rs) e que adora cantar e dançar (apesar de não fazer nenhuma dessas coisas muito bem). Fã incondicional de Meg Cabot, de maratonar séries e de ver filmes de natal (mesmo quando não é natal, hahaha).

Qual você diria que é a sua maior fonte de inspiração?
Meus leitores! Mas de verdade! Eles são minha gasolina para aqueles dias que eu estou parando, ao mesmo tempo que também são os fornecedores de comentários que me ajudam a desenvolver minhas histórias e, além disso, também são o motivo pelo qual eu escrevo. Enfim, vocês são tudo. Obrigada por existirem.

Gostaria de deixar uma mensagem para seus leitores? Fique à vontade.
Acho que eu acabei de fazer isso sem querer na pergunta de cima, hahaha! Obrigada, queridos! <3


Somos muito gratos pela oportunidade de recebê-la no Blog PontoComCultural!

































Um comentário

  1. Muito amor envolvido! Obrigada, Bruna! Fiquei muito feliz pelo espaço e pela oportunidade ♥

    ResponderExcluir